domingo, maio 15

Cochichando

Fala baixo, amor,
que todos já sabem
e estão cansados de ouvir.
Fala baixo, perto do meu ouvido,
cochicha em notas e frenesi
o que te treme o coração.

Cochicha alto, amor,
enquanto me leva na pista
a dança da nossa falta de sentido.
Cochicha alto, morde a orelha,
abafa com os cabelos, entorta a nuca,
tira a mão do meu ombro e me beija.

Grita muda, amor,
que amanhã já vou ter ido
e me pede para ficar um pouco mais.
Grita muda, convoca sua emenda,
toma partido dos que falam pouco,
mas o pouco que estremesse.

Um comentário:

Ana disse...

E ao e que vc virou mesmo poeta?